quarta-feira, 25 de junho de 2008

Pra quem gosta de Sex and the City e foi ver o filme

Gosto muito do seriado, com exceção do último capítulo que achei um dramalhão sem par. Mas no todo, me diverti demais com as aventuras das quatro amigas em NY. Acho que havia leveza, veracidade e humor na abordagem das questões das mulheres, suas vidas e relacionamentos amorosos.

Quando estreou o filme, fui logo ao cinema. Fui feliz, como quem vai reencontrar velhas e boas amigas. Até posso dizer que gostei do filme, tipo razoável, mas a verdade é que fiquei chocada com o machismo do roteiro. Vou enumerar:

Carrie: só pensa no casamento. De repente, uma mulher independente e inteligente fica obcecada pela cerimônia, esquecendo de perguntar ao companheiro o que ele gostaria. (Até aí, tudo bem, afinal, o roteirista precisa de uma trama...) Tudo acaba lindamente “sonho dourado” com Big a pedindo em casamento de joelhos num closet (argh!).

Miranda: vivendo um período desvitalizado na relação, essa fica irredutível diante da confissão de uma única pulada de cerca do Steve e se separa. Mas, como ainda se gostam e têm um filho acabam juntos, final feliz.

Charlotte: feliz, feliz, mais feliz ainda de finalmente ter um bebê biológico, lógico!

Samantha: essa então, pelo amor de deus... o que é que fizeram com a Samantha? Tudo bem que ela estava tendo dificuldades em orbitar o tempo todo em torno do marido, isso é mesmo muito chato pra qualquer mulher que se preze. Tudo bem que ela estivesse atormentada pela tentação do vizinho garanhão... mas terminar sozinha, jogando fora o vínculo construído tão lindamente por ela e Smith? Francamente... Quer dizer que a melhor forma de encarar as dificuldades de uma relação, em se tratando de uma mulher assumidamente independente e fogosa, é cair fora dela?

Moral da história (e põe moral nisso): mulher quer casar de véu e grinalda, mulher não perdoa escapulida do marido, mulher quer ter filho que saia da própria barriga, mulher fogosa tem mais é que ficar sozinha. Bonito, os americanos são mesmo um show em matéria de caretice!

9 comentários:

Simone disse...

No fundo, toda mulher tem um pouco de cada uma delas.....americanas ou não.
Amei o filme...diálogos impagáveis!

dri tavares disse...

concordo com vc em vários aspectose acho que Carrie e Miranda ""encaretaram" demais!

obs: acho que errei alguma coisa no comentário que fiz outro dia pq não entrou...

Gabi Lacombe disse...

Apesar de gostar muito do seriado, sempre achei muito machista... Com o filme não havia de ser diferente.

O que me incomodou no filme é que loooooongo demais!!! Acho que é pra dar tempo de usar todos aqueles figurinos (alguns de gosto muito duvidável na minha opinião)...

beijos

Anônimo disse...

Dri,

Apesar de adorar o seriado, concordo em tudo que você escreveu.

O americano realmente é muito moralista.

Adorei seu bloq

Bjs
Pri

Adriana Pinheiro disse...

Como disse, eu amava o seriado, não achava nada careta...
Já o filme... credimcruz! A Charlotte já tinha uma filha linda, chinesinha, mas a felicidade completa é ter um biológico, a chinesinha era então um tapa-buraco, praticamente como a cadelinha que ela também tem... Que isso? A Samantha então sai castigada por ser dadeira... nem acho que ficar sozinha seja castigo, mas foi essa a idéia do filme. Sei lá, realmente muito quadrada essa receita de felicidade.

Simone disse...

Pq quadrada???? A Samantha não foi castigada...ficou sozinha por pura opção. E pelo que pareceu, muito feliz! Nada de quadrado aí, muito pelo contrário!
A Charlotte tb não me pareceu usar a chinezinha como tapa-buraco...aliás, ela nem estava mais tentando engravidar. O fato de ter ficado radiante com a gravidez não quer dizer que a chinezinha ficou em segundo plano. A menininha continuou participando de tudo e recebendo todo o carinho.
A Miranda não encaretou, mas se humanizou. Abriu a guarda, permitindo mostrar um pouco mais dos seus sentimentos (coisa que ela sempre reprimiu).
A minha percepção do filme foi totalmente diferente da de vcs.

Adriana Pinheiro disse...

Achei desnecessário ela ter engravidado, dando essa idéia de que agora sim a felicidade estaria completa! Quanto a Samantha (eu adoro a Samantha!) , fiquei triste que o filme a tenha separado do Smith - eles batalharam muito por essa relação... Como já disse na postagem, achei que o filme não foi fiel à série... O seriado mostrava problemas que podem acontecer com toda mulher: ganhar mais que o parceiro, ter um namorado perfeito e ainda assim não sentir firmeza, ter medo de se machucar, etc. Achei o filme moralista, diferente da proposta do seriado... mas acho bom que vc tenha percebido de outra forma. beijos

Walmor Pamplona disse...

Bem, não verei o filme. Bjs

dri tavares disse...

Dri , entrei aqui crente que acharia um post novo ,
mas adorei ler os comentários sobe o S&TC!
bjim