terça-feira, 4 de novembro de 2008

Plutão em Capricórnio e a crise mundial

Astrologia política não é meu forte, mas diante dos acontecimentos atuais, não dá pra não falar da entrada de Plutão em Capricórnio agora em novembro.

Senhor dos processos lentos e dolorosos, Plutão é o grande transformador do zodíaco e traz à superfície aquilo que está oculto nas profundezas, como algo que revolve o fundo de um lago trazendo o lodo à tona, para que possa ser limpo. Seu significado tem a ver com morte e renascimento, com o fim definitivo de algo para dar origem a algo mais adequado à essência.

Após o crash de Wall Street em 1929, Plutão foi descoberto em 1930, no signo de Câncer (onde esteve de 1914 até 1939). Sincronicamente, o mundo atravessava uma forte recessão política e financeira. A década de 30 marcou o surgimento de governos totalitários na Europa com fortes objetivos militaristas e expansionistas que resultou na Segunda Guerra Mundial. Também nesse período, pesquisas científicas levaram à divisão do átomo e à conseqüente descoberta da energia nuclear, usada tanto para a destruição em massa como para a cura.

Capricórnio é o signo do alto da mandala astrológica, o arquétipo da autoridade, dos limites, da estrutura, da ordem institucional e governamental. Durante esses anos viveremos profunda transição nas estruturas políticas e sociais, em termos coletivos. É exatamente nessa esfera que Plutão transitará de 2008 até 2023. (Arrisco dizer que a coisa ficará ainda mais exacerbada de 2010 á 2015, período em que forma uma quadratura com Urano em Áries.) Em seu curso, Plutão fará ruir estruturas consideradas sólidas como bancos (grandes falências e fusões para evitá-las), instituições e até governos. Por estarem inseguros, governos tentarão cada vez mais controlar suas populações através da política do medo, tendendo à maior centralização de poder, em nome da segurança, uma estratégia de manipulação. Podemos esperar o uso da força militar, maior controle de fronteiras e de cidadãos pelo uso de câmeras de vigilância, assim como recessão, escassez de recursos, como água e alimentos, e a imposição de regras mais controladoras e rígidas, o que pode levar a rebeliões e até mais guerras.

O mundo vive uma fase de reforma. Cedo ou tarde, atentaremos para esse fato e passaremos a um uso mais consciente e responsável dos recursos que temos. A ordem é DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Especialmente, nós, brasileiros, donos (?) de vastas reservas naturais. Acho que o mundo ainda pode precisar muito da gente...

Assim que escrevi esse texto, enviei-o à amiga Bia Casotti, pessoa muito sensível e sensata, perguntando: "Amiga, escrevi o texto, mas tô achando muito sombrio demais da conta. O que vc acha?"

Eis a resposta: "Achei bom. O sombrio faz parte desse lodo que virá a tona, mas talvez no final fosse interessante falar um pouco mais da possibilidade desse lodo ser transformado, ou seja, ser limpo e renascer algo mais interessante para a humanidade."

Me lembrei do programa que vi ontem na Globonews, daquele rapaz Trigueiro, que mostrava uma usina de reciclagem de embalagens longa-vida, em Piracicaba (a única no mundo todo) com uma técnica que separa o alumínio e o plástico do papel (essas embalagens não são só de papel) e, de um caldo marrom estranhíssimo surgia no final rolos enormes de um papel fabuloso. Além de barras de alumínio e parafina. Tudo isso utilizando técnicas que não poluem em nada o meio ambiente. Eu acho que isso mostra a nossa capacidade de transformar o sujo em algo adequado à essência.

Genial a minha amiga, sabe tudo. Vou repetir as palavras dela: o surgimento de algo mais interessante para a humanidade.

o planeta Plutão

8 comentários:

bia casotti disse...

Quando o assunto é astrologia quem sabe tudo é vc. Obrigada pelo genial. Bjs

Anônimo disse...

Será que a vitória do Obama não dá uma aliviada nesse carma cósmico aí? Tomara.
Bjs
Renatinha

Anônimo disse...

Cara Adriana
Gostei do seu texto, mas quero afirmar que acredito na capacidade do ser humano, sua criatividade, do sua capacidade de adptação e da grande força de sobrevivencia.
Não é o momento de termos medo, é momento de lembramos quem somos e o que fomos e o que seremos, a historia da humanidade nos diz isto. sempre tivemos altos e baixos, eras de gelo e de calor, tempestades e calmarias, a historia tbm mostrou que o ser humano é capaz de grandes ignorancias como as guerras por motivos bem estupidos, lembro tbm que o mal só tem sucesso quando as pessoas de bem não fazem nada.

Vamos superar bem esta nova era de lama, pois aprendemos a limpa-la na nossa historia.
Beijos

.:.sweet n spicy.:. disse...

Concordo plenamente com o comentário acima, hoje com a vitória de B. OBAMA nos EUA, ficou revelado que mundialmente, estamos todos em busca de um mundo melhor, baseado no senso comum e na justiça social...
Pessoalmente adoro as transformações que Plutão traz, minha vida evoluiu muito e pra melhor com a passagem deste "destemido planeta"... o que me faz lembrar daquela frase..."se chorei ou se sorri, o importante é que emoções fortes eu vivi" !!

Queridíssima, adorei o texto e..é um corajoso tema...Acredito também que Plutão vai levantar a poeira, sacudir o mundo.. mas daremos a volta por cima!

Um forte abraço, MR

Adriana Pinheiro disse...

Queridos, tb acredito muito na nossa capacidade de luta, de dar a volta por cima. Acho que é exatamente o intuito de Plutão: mostrar que na adversidade podemos evoluir, encontrar soluções essenciais mais afinadas com a verdade. Vamo que vamo! Sem nos submeter à política do medo, fortes, determinados, dignos e sobretudo, humanos.

Dida disse...

Arrasou querida. Chega de vaselina, vamos encarar a coisa de frente. Esse negocio de mascarar a realidade de rosa só aumenta a ilusão.

Rodrigo Siqueira disse...

Eu gosto muito de astronomia, mas sinceramente, acho astrologia, a maior bobagem que o mundo já viu.

Anônimo disse...

Eu sou iguinorante nessa parte,gósto muito de Astronomia,mas o que tem aver PLUTÂO com política?